stj1

Evinis Talon

STJ: aplica-se o princípio da fungibilidade à apelação interposta quando cabível o recurso em sentido estrito, desde que demonstrada a ausência de má-fé, de erro grosseiro, bem como a tempestividade do recurso

25/05/2019

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Ganhe imediatamente um LIVRO AUTOGRAFADO pelo prof. Evinis Talon.

Veja os planos semestral (parcele em até 6x) e anual (parcele em até 12x): CLIQUE AQUI

Curso com modelos de peças processuais!

Veja outros cursos com o prof. Evinis Talon (sem livro): CLIQUE AQUI

Fale conosco no WhatsApp: clique aqui

Decisão proferida pela Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça no AgInt no REsp 1532852/MG, julgado em julgado em 07/06/2016 (leia a íntegra do acórdão).

Confira a ementa:

AGRAVO REGIMENTAL. RECURSO ESPECIAL. DIREITO PENAL E PROCESSO PENAL. ART. 581 DO CPP. INCOMPETÊNCIA DO JUÍZO. APELAÇÃO CRIMINAL. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO. PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE. APLICABILIDADE. ACÓRDÃO A QUO COM FUNDAMENTAÇÃO ADEQUADA. ADOÇÃO DO PARECER MINISTERIAL COMO RAZÃO DE DECIDIR. LEGALIDADE. 1. O princípio da fungibilidade recursal representa a flexibilização do Direito que, ao impedir que a forma se confunda com o formalismo excessivo e que este se sobressaia perante a finalidade do processo, almeja adequar a norma à sociedade na qual será aplicada. 2. Sendo interposta apelação contra a decisão que concluiu pela incompetência do juízo, cabível a sua conversão em recurso em sentido estrito se, do erro, não se constatou a intempestividade do apelo, nem prejuízo à parte recorrida no que tange ao processamento do recurso (art. 581 do CPP). 3. O agravo regimental não merece prosperar, porquanto as razões reunidas na insurgência são incapazes de infirmar o entendimento assentado na decisão agravada. 4. Agravo regimental improvido. (AgInt no REsp 1532852/MG, Rel. Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR, SEXTA TURMA, julgado em 07/06/2016, DJe 22/06/2016)

Leia o voto:

VOTO

O EXMO. SR. MINISTRO SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (RELATOR): O agravo regimental não merece provimento.

Segundo a norma controvertida, o art. 581, II, do Código de Processo Penal, cabe recurso em sentido estrito contra a decisão que concluir pela incompetência do juízo.

Todavia, no caso, sendo interposta apelação contra a decisão que concluiu pela incompetência do juízo, cabível a sua conversão em recurso em sentido estrito se, do erro, não se constatou a intempestividade do apelo, nem prejuízo à parte recorrida no que tange ao processamento do recurso (REsp n. 1.182.251/MT, Ministro Jorge Mussi, Quinta Turma, DJe 11/6/2014).

Por conseguinte, como não se constatou a intempestividade do recurso de apelação e em razão da incidência do princípio da fungibilidade, merece confirmação o acórdão estadual, consoante a jurisprudência deste Superior Tribunal, in verbis: é possível a interposição de apelação quando era cabível o recurso em sentido estrito, desde que demonstrada a ausência de má-fé e a sua tempestividade (AgRg no AREsp n. 354.968/MT, Ministro Moura Ribeiro, Quinta Turma, DJe 14/5/2014).

A ementa do acórdão a quo merece transcrição (fl. 205):

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO – ROUBO MAJORADO – PRELIMINAR – INADEQUAÇÃO – NÃO CONHECIMENTO – REJEIÇÃO – FUNGIBILIDADE RECURSAL – DESCLASSIFICAÇÃO – EXERCÍCIO ARBITRÁRIO DAS PRÓPRIAS RAZÕES – AMEAÇA – DESCABIMENTOÔNUS PROBATÓRIO – RATIFICAÇÃO DA COMPETÊNCIA. – Autoriza-se, pela fungibilidade recursal, o conhecimento de um recurso interposto equivocadamente no lugar de outro, desde que não haja má-fé. – A subtração de bens como forma de compensação de dívida para fins de se tipificar com delito do exercício arbitrário das próprias razões deve se pautarem elementos concretos a justificar aludida conduta, ônus do acusado. – Constatando a subtração de bens mediante violência o Juízo deve valorara suposta conduta como crime de roubo

Com efeito, a aplicação da fungibilidade recursal colabora com a existência de um processo civil mais célere e efetivo. Ao dar prioridade à finalidade em detrimento da forma, contribui para um processo mais justo.

Nas palavras de Guilherme Freire de Barros Teixeira:

O princípio da fungibilidade pode ser definido como a possibilidade de substituição de uma medida processual por outra, admitindo-se aquela erroneamente utilizada como se tivesse sido empregada uma outra mais adequada à situação concreta existente nos autos, sendo irrelevante eventual equívoco no manejo de medida inapropriada pela parte. (Direito Processual Civil – Institutos Fundamentais. Edição revista e atualizada de acordo com o novo Código de Processo Civil, 2009, pág. 158).

Com o intuito de evitar tautologias, adoto, como fundamento e razão de decidir, o parecer da Procuradoria-Geral da República (fls. 758/761):

 […] O intento recursal não deve lograr êxito. Primeiramente, valer destacar o que foi reconhecido pelo Tribunal de origem: Preliminar de carência de pressuposto de admissibilidade recursal. Relativamente sobre a preliminar levantada pela defesa, deve-se considerar que, segundo o Código de Processo Penal, art. 579, se um recurso for interposto equivocadamente no lugar de outro, não havendo má-fé, o recurso deve ser conhecido e processado como se fosse o recurso cabível. Como se observa, tão logo intimado da decisão de desclassificação da conduta imputada ao recorrido o órgão de acusação aviou sua irresignação (fls. 109v e fls. 110), o que autoriza a invocação do princípio da fungibilidade recursal para o conhecimento da apelação, que fora aviada tempestivamente, considerando o prazo estabelecido para a interposição do recurso que, supostamente, seria correto, e que veio em termos próprios, como o recurso em sentido estrito. Desta forma, verificando ainda os outros pressupostos processuais intrínsecos e os extrínsecos, CONHEÇO do recurso interposto pelo Ministério Público, e afasto a preliminar argüida de impropriedade recursal. Ora, pela situação fática apresentada é realmente possível a interposição de apelação quando era cabível o recurso em sentido estrito (princípio da fungibilidade recursal), desde que demonstrada a ausência de má-fé e a tempestividade do recurso, como no presente caso. Ante o exposto, e pelas razões aduzidas, o parecer é pelo desprovimento do presente recurso especial.

Frise-se que não há violação dos preceitos processuais quando o magistrado adota os termos da manifestação ministerial como razões de decidir, desde que a peça apresente pertinência e fundamentos jurídicos e legais razoáveis acerca da questão posta a julgamento (RHC n. 31.266/RJ, Ministro Adilson Vieira Macabu (Desembargador convocado do TJ/RJ), Quinta Turma, DJe 18/4/2012).

Em acréscimo, o processo civil moderno é um processo civil de resultados. A preocupação do direito processual civil é assegurar o acesso à Justiça por meio de um processo justo, célere e eficaz.

O princípio da fungibilidade recursal representa a flexibilização do Direito que – ao impedir que a forma se confunda com o formalismo excessivo e que este se sobressaia perante a finalidade do processo – almeja adequar a norma à sociedade na qual será aplicada.

Por fim, denota-se que o processo não é mais um “fim em si mesmo”, mas um instrumento para a concretização do direito material e consequente satisfação da sociedade.

Logo, não mereceu provimento a insurgência especial do ora agravante.

Dessa forma, o agravo regimental não merece prosperar, porquanto as razões reunidas na insurgência são incapazes de infirmar o entendimento assentado na decisão agravada.

Em face do exposto, nego provimento ao agravo regimental.

Leia também:

  • Advogar e estudar para concurso ao mesmo tempo: é possível? (leia aqui)
  • Quais são as teses defensivas possíveis no processo penal? (leia aqui)
  • Roubo com emprego de arma de fogo: apreensão e perícia (leia aqui)

Evinis Talon é Advogado Criminalista (com foco em consultas e pareceres), professor de cursos de pós-graduação, Mestre em Direito, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de livros e artigos e palestrante.


Quer citar este texto em algum artigo, TCC ou peça processual? Então CLIQUE AQUI e preencha: nome do autor (Evinis Talon), título, site (basta copiar e colar) e a data de hoje. Depois clique em “gerar referência”.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Advocacia e resultados

Em texto anterior, abordei a conduta dos Advogados que dizem que “conseguiram a

Telefone / Whatsapp: (51) 98031-8179 | Email: contato@evinistalon.com

Evinis Talon © Todos os Direitos Reservados - 2018