atestado médico

Evinis Talon

TRF1: mantida a condenação de réu que apresentou atestado falso para receber auxílio-doença

29/05/2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

CURSO DE AUDIÊNCIAS CRIMINAIS
Amigos, depois de muitos pedidos, lançamos o curso online de audiências criminais, que tem muitas videoaulas, material escrito complementar e certificado.
O valor pode ser parcelado em até 12 vezes no cartão. Também é possível adquirir (sem parcelamento) no boleto. Além disso, tem garantia de 7 dias (cancelamento com reembolso integral dentro desse prazo).
CLIQUE AQUI

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Notícia publicada no site do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), no dia 19 de maio de 2020 (leia aqui), referente ao processo nº 0014896-51.2008.4.01.3800.

Por apresentar atestado falso de hanseníase para requerer auxílio-doença junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), um homem foi condenado pela Justiça Federal da 1ª Região.

Conforme os autos, o acusado afirmou que estava desempregado havia aproximadamente cinco meses e aceitou proposta de terceiro referente a uma maneira de receber o benefício previdenciário. Ao realizar o pagamento de certa quantia àquela pessoa, o réu pegou o atestado falso e solicitou o auxílio-doença ao INSS, recebendo, indevidamente, cerca de R$940,00 por nove meses.

Para o magistrado sentenciante, juiz federal substituto Marllon Sousa, da Seção Judiciária de Minas Gerais, a conduta do réu caracteriza estelionato, previsto no art. 171 do Código Penal, “sendo certo que a obtenção da vantagem indevida (recebimento de auxílio-doença), que ocasionou prejuízo ao INSS no montante originário de R$8.443,03, se deu por meio de artifício (falsificação de documento) pelo qual a autarquia”, foi induzida a erro.

O juiz federal substituto salienta ser claro o pleno discernimento na conduta do acusado, demonstrando sua livre e consciente vontade de induzir a União ao erro para obter vantagem indevida em benefício próprio, o que justifica a condenação do réu.

Em recurso, o homem pleiteou a reforma da sentença para absolvê-lo devido à ausência de tipicidade do delito, a aplicação da minorante prevista no § 1º do art. 171 do Código Penal e a incidência da causa de diminuição de pena disposta no § 1º do art. 29 do CP. Além disso, o apelante requisitou também a redução da pena-base no mínimo legal, subtraindo-a em maior fração por sua confissão espontânea.

Para o relator, juiz federal convocado Jorge Gustavo Serra de Macedo Costa, a materialidade do delito contra o INSS foi devidamente comprovada e, tanto a autoria do crime quanto o elemento subjetivo do tipo penal, ficaram demonstrados, considerando o fato de que o réu sabia que não tinha direito de sacar os valores referentes ao auxílio, e mesmo assim o fez.

“Não há que se falar em ausência de dolo, tendo em vista que ficou constatado nos autos que o acusado agiu com plena consciência e vontade de praticar a conduta delituosa. Com efeito, restou afastada, por ocasião da sentença condenatória, a tese de atipicidade da conduta por ausência de dolo”, afirmou o magistrado.

A respeito da aplicação da minorante prevista no § 1º do art. 171 do CP, o relator entendeu não ser cabível, pois essa só é possível quando se trata de réu primário e de prejuízo de pequeno valor. Na visão do magistrado, também não incide a causa de diminuição de pena disposta no § 1º do art. 29 do CP, tendo o réu praticado, efetivamente, a conduta criminosa.

Nesses termos, a 3ª Turma do TRF1, por unanimidade, deu parcial provimento à apelação do réu, fixando a pena privativa em um ano e oito meses de reclusão e 16 dias-multa à razão de um trigésimo do valor do salário mínimo vigente à época dos fatos, devidamente atualizado.

Leia também:

Precisa falar conosco? CONTATO: clique aqui

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Evinis Talon é Advogado Criminalista (com foco em consultas e pareceres para outros Advogados e escritórios), professor de cursos de pós-graduação, Mestre em Direito, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de 7 livros e palestrante.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Telefone / Whatsapp: (51) 99927 2030 | Email: contato@evinistalon.com

Evinis Talon © Todos os Direitos Reservados - 2018