celular

Evinis Talon

Câmara: projeto cria cadastro digital para comunicar furto de celulares

12/02/2021

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

CURSO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL DEFENSIVA (bônus por tempo limitado: meu livro autografado sobre o mesmo tema)

Conheça o curso online de investigação criminal defensiva, que tem muitas videoaulas e certificado de conclusão.
O valor pode ser parcelado em até 12 vezes no cartão. Também é possível adquirir (sem parcelamento) no boleto. Além disso, tem garantia de 7 dias (cancelamento com reembolso integral dentro desse prazo).
Adquirindo o curso agora, você ganha de bônus o meu livro Investigação criminal defensiva autografado e com dedicatória (bônus por tempo limitado).
CLIQUE AQUI

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Câmara: projeto cria cadastro digital para comunicar furto de celulares

O Projeto de Lei 200/21 obriga a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a criar um cadastro digital relacionando o CPF ou CNPJ do proprietário de telefone celular com dados da nota fiscal do aparelho e com a sequência de números que o identifica internacionalmente, o Imei (International Mobile Equipment Identity). O objetivo é facilitar a comunicação de furto, roubo ou perda do aparelho à Anatel. O texto tramita na Câmara dos Deputados.

Atualmente, segundo a Anatel, em caso de perda, roubo ou furto do aparelho, basta ligar para a prestadora e pedir que o bloqueio seja feito. Não há mais necessidade de informar o Imei para bloquear ou desbloquear o aparelho – caso seja possível recuperá-lo. Desde 2016, com a alteração de algumas regras pela Anatel, o processo ocorre em algumas horas.

Já o projeto estabelece que a operadora responsável pelo serviço de telefonia celular, ao ser comunicada do sinistro, deverá – além de bloquear o sinal – disponibilizar às autoridades policiais, em tempo real, a localização do aparelho e enviar sinal para ativar no celular mecanismos de proteção de dados, se existirem.

“O roubo ou furto de uma aparelho celular, além do evidente prejuízo material, tem consequências muito graves, já que os agentes criminosos podem ter acesso às informações bancárias, fotos, conversas, histórico de ligações e outros dados da vítima”, diz o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), autor da proposta.

Ainda segundo o texto, a adesão ao cadastro é opcional e o usuário que opta por participar dele é responsável pela inclusão dos dados do aparelho. Em caso de venda, permuta, doação ou outra forma de transmissão de propriedade do telefone cadastrado, o número de CPF ou CNPJ do comprador será registrado pelo proprietário.

Por fim, o texto do projeto altera o Código Penal para definir como furto qualificado, com pena de reclusão de 2 a 5 anos,  a subtração de aparelho celular.

Fonte: Agência Câmara de Notícias – leia aqui.

Leia também:

Precisa falar conosco? CONTATO: clique aqui

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Evinis Talon é Advogado Criminalista (com foco em consultas e pareceres para outros Advogados e escritórios), professor de cursos de pós-graduação, Mestre em Direito, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de 7 livros e palestrante.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Telefone / Whatsapp: (51) 99927 2030 | Email: contato@evinistalon.com

Evinis Talon © Todos os Direitos Reservados - 2018