Quem deve provar as excludentes de ilicitude?

– Inscreva-se no meu curso por assinatura (Penal e Processo Penal) até o dia 25/09/17 e participe do sorteio de um exemplar do livro A jornada de um advogado criminalista (com dedicatória especial), além de ter acesso a mais de 21 horas de aula e 50 vídeos: clique aqui
– Fale com o prof. Evinis Talon no WhatsApp (clique aqui)
– Participe do grupo do Whats do prof. Evinis Talon: clique aqui (usando o celular)


banner curso finalizado enviado Evinis




Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Na prática forense, observamos muitas sentenças condenatórias fundamentadas no fato de que o réu não se desincumbiu do seu ônus de provar a excludente de ilicitude alegada. Normalmente, essas decisões deixam em segundo plano o ponto relevante para a condenação: a presença dos elementos do crime, quais sejam, fato típico, ilicitude e culpabilidade.

Noutros termos, os julgadores desconsideram a necessidade de avaliar a presença da ilicitude, ônus da acusação, optando por atribuir um onírico e equivocado ônus à defesa, consistente na necessidade de provar a excludente de ilicitude alegada.

Entrementes, no Brasil, vigora o princípio da presunção de inocência, razão pela qual essa pretensão de distribuir o ônus probatório entre as partes deve ser analisada de acordo com esse relevante princípio constitucional.

A Constituição Federal não possui previsão específica relacionada com o ônus probatório, limitando a prever o devido processo legal (art. 5º, LIV), o direito ao contraditório e à ampla defesa (art. 5º, LV) e a inadmissibilidade de provas ilícitas (art. 5º, LVI). O Código de Processo Penal, por outro lado, prevê, na parte inicial do art. 156, que a prova da alegação incumbirá a quem a fizer. Dessa forma, surgem algumas indagações no que concerne à compreensão do ônus da prova, especialmente quando se aborda a previsão do Código de Processo Penal sem antes observar o que dispõe a Constituição Federal.

Apontando esse equívoco da preponderância do Código de Processo Penal em detrimento da Constituição Federal, Rangel (2011, p. 498) destaca:

A doutrina, em maioria, ao estudar a divisão do ônus probatório, sustenta que a divisão do ônus é baseada no interesse da própria afirmação, ou seja, o ônus compete a quem alega o fato. Trata-se de uma visão exclusiva e isolada do art. 156 do CPP, com redação da Lei 11.690/08, em desconformidade com a Carta Política do País, pois há que se fazer, hodiernamente, uma interpretação conforme a Constituição.

Em outras palavras, é imprescindível que se observe a norma processual (art. 156 do Código de Processo Penal) tendo como parâmetro a Constituição Federal em sua integralidade – e não o contrário –, haja vista a evidente posição de supremacia do texto constitucional em relação ao ordenamento jurídico infraconstitucional.

Destarte, entende-se que o princípio da presunção de inocência gera efeito diretamente no ônus probatório, e não o contrário. Não deve ser o princípio constitucional afetado por uma previsão infraconstitucional de distribuição do ônus, mas sim esta deve ser relida de acordo com aquele princípio constitucional.

Contudo, há uma tentativa de inserir no processo penal a lógica probatória do processo civil, o que decorre da habitual adoção de uma teoria geral do processo. Nesse caso, a cada polo da relação processual caberia o ônus de demonstrar suas alegações, esquecendo-se de que, no processo penal, as partes não são totalmente iguais, porquanto a liberdade de uma (acusado) está em evidência, enquanto a outra parte (acusação) não terá nenhuma consequência negativa caso não confirme suas alegações, nem mesmo um prejuízo de ordem financeira, como normalmente ocorre no processo civil.

Como exemplo da incorreta distribuição do ônus probatório, cita-se a seguinte decisão do Superior Tribunal de Justiça, que atribui à defesa o ônus de provar a tese de excludente de ilicitude:

AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL PENAL. CRIME DE APROPRIAÇÃO INDÉBITA PREVIDENCIÁRIA. EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE PELO PAGAMENTO INTEGRAL. ÔNUS DA PROVA DA DEFESA. EXCLUDENTES DE ILICITUDE E/OU CULPABILIDADE. NÃO COMPROVAÇÃO. AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO.
1. O tipo penal inscrito 168-A do Código Penal (Lei nº 9.983, de 14/07/00), constituindo crime omissivo próprio (ou omissivo puro), consuma-se apenas com a transgressão da norma incriminadora, independentemente de resultado naturalístico e do dolo específico : fim especial de agir – a vontade livre e consciente de ter a coisa para si (animus rem sibi habendi).
2. Se é certo que o pagamento integral dos débitos oriundos da falta de recolhimento dos tributos extingue a punibilidade do crime tipificado no art. 168-A do Código Penal, por força do art. 9.º, § 2.º, da Lei n.º 10.684/03 – de eficácia retroativa -, não menos certo que tal comprovação é ônus da defesa.
3. De igual modo, cabe à defesa a provar sua tese de excludente de ilicitude e/ou de culpabilidade. Precedentes.
4. Agravo regimental improvido.
(AgRg no REsp 871.739/PE, Rel. Ministro Arnaldo Esteves Lima, Quinta Turma, julgado em 18/11/2008, DJe 09/12/2008)

Como se observa na decisão do STJ – e em muitas outras pelo Brasil -, os Juízes e Tribunais normalmente consideram que as excludentes de ilicitude devem ser provadas pela defesa. Em outras palavras, não seria incumbência do Ministério Público provar que o acusado não agiu amparado por uma excludente de ilicitude, mas sim da defesa provar que, no caso concreto, estava presente uma excludente e, por consequência, não se concretizou a presença de todos os elementos da infração penal.

Esse entendimento merece inúmeras críticas. Não é possível, a partir do princípio da presunção de inocência, distribuir o ônus probatório, como se a acusação tivesse a incumbência de provar a ilicitude e à defesa coubesse provar a excludente.

No âmbito do processo penal não cabe ao réu a prova de sua inocência, mas sim ao Ministério Público provar a acusação, em todos os seus termos, já que é o titular da ação penal pública e possui esta prerrogativa/atribuição. Nesse prisma, a defesa tem a mera possibilidade ou faculdade de manifestar como forma de fortalecer a presunção já existente em favor do acusado, mas nunca terá o ônus ou o dever de fazê-lo, ainda que sua alegação diga respeito a eventual excludente.

Nesse ponto, tem razão Guarnieri (1952, p. 305) ao afirmar que “incumbe a la acusación la prueba positiva, no sólo de los hechos que constituyan el delito, sino también de la inexistencia de los que le excluyan.”

A questão é muito simples: não é possível que o Ministério Público prove a ilicitude sem demonstrar, simultaneamente, que não se aplica ao caso nenhuma das excludentes de ilicitude. Caso não prove isto, não estará provado aquilo. Algo não pode ser (ilicitude) se algo o impede de ser (excludente).

Trata-se de uma questão não apenas jurídica, mas também lógica, considerando que, para que a acusação prove que o fato é típico, ilícito e culpável, deve demonstrar que não há uma excludente que afaste algum dos elementos da infração penal, entre os quais podem ser citadas as excludentes de ilicitude.

Nesse sentido, há de se entender que se a acusação entende estar presente a ilicitude, mas a defesa alega uma excludente (a legítima defesa, por exemplo), a alegação da acusação não se considerará provada se o Ministério Público não demonstrar a ilicitude e a inexistência de qualquer excludente desse elemento, não apenas aquela alegada pela defesa.

Ademais, há um equívoco ao se afirmar que a acusação não tem a atribuição de provar a inocorrência da excludente de ilicitude. Ora, sendo ônus da acusação provar que estão presentes todos os elementos da infração penal, deve provar também que não há nada que desconstitua o crime, como uma excludente de ilicitude.

A única consequência da inércia da defesa é a perda de uma consequência favorável, qual seja, o fortalecimento da alegação de uma excludente de ilicitude e uma maior possibilidade de absolvição.Em sentido idêntico, Aroca (1997, p. 153) entende que “el acusado no necesita probar nada, siendo toda la prueba de cuenta de los acusadores, de modo que si falta la misma ha de dictarse sentencia absolutoria.”

Aliás, nem mesmo o caráter indiciário da ilicitude é suficiente para atribuir ao acusado o ônus de provar sua inocência. Se a acusação consegue provar que o fato é típico e, portanto, indiciário de ilicitude, ao réu continua atribuída uma presunção de inocência, que não é desfeita apenas por indícios de que a conduta também é ilícita. Com efeito, indícios de ilicitude não afastam a presunção de inocência, tampouco são sinônimo de prova da ilicitude em sua integralidade (positiva e negativamente), ou seja, presença de ilicitude e ausência de excludentes.

Em suma, cabe exclusivamente à acusação provar a ilicitude da conduta e a ausência de excludentes de ilicitude.

REFERÊNCIAS:

AROCA, Juan Montero. Principios del proceso penal. Valencia: Tirant lo Blanch, 1997.

GUARNIERI, Jose. Las partes en el Proceso Penal. Trad. Constancio Bernaldo de Quirós. México: Jose M. Cajica, 1952.

RANGEL, Paulo. Direito Processual Penal. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.


Vídeos quase diários:


Clique na imagem abaixo para ver o curso “Como iniciar na Advocacia Criminal”.

como-iniciar-adv