7 motivos para ingressar na Advocacia Criminal

– Curso online de Execução Penal com o prof. Evinis Talon (clique aqui)
– Inscreva-se no meu curso por assinatura (Penal e Processo Penal) e participe do SORTEIO de um exemplar do livro A jornada de um advogado criminalista (com dedicatória especial), além de ter acesso a mais de 26 horas de aula e 63 vídeos: clique aqui
– Fale com o prof. Evinis Talon no WhatsApp (clique aqui)
– Participe do grupo do Whats do prof. Evinis Talon: clique aqui


banner curso finalizado enviado Evinis




Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Muitos recém-formados não sabem em qual área ingressar. A Advocacia tem inúmeras oportunidades, especialmente no âmbito criminal.

Para ajudá-los, destacarei 7 motivos para ingressar na Advocacia Criminal. São eles:

1. Possibilidade de lutar contra as injustiças

O Advogado Criminalista pode fazer a lei ser cumprida (leia aqui). Pode – e deve – brigar contra o descumprimento da legislação na execução penal, as constantes prisões ilegais e as denúncias por furtos de bagatela, como os casos em que alguém é processado por vários anos por ter furtado um desodorante ou alguns doces. Também pode se opor aos excessos de prazo na prisão e a outras ilegalidades que ocorrem diariamente.

Já atuei em todas as áreas do Direito e, no meu caso, sinto uma satisfação muito maior quando ponho fim a alguma ilegalidade no âmbito penal (alguém que ficou esquecido na prisão, por exemplo) do que quando conseguia a condenação de alguém a pagar uma dívida.

Isso é relativo. Há alegrias em outras áreas do Direito (como obter alimentos para uma criança ou medicamentos para um enfermo), mas destruir uma injustiça contra alguém que sofre com um processo penal tem um gosto especial, porque se trata de “nadar contra a maré” (o senso comum).

2. Como regra, o Advogado Criminalista atua exclusivamente na defesa

O Advogado Criminalista tem uma posição preponderantemente na defesa. Não precisa elaborar petições iniciais, salvo em caso de queixa-crime, revisão criminal e “habeas corpus”, por exemplo.

É um trabalho de contraditar as afirmações da denúncia e apontar os erros cometidos pela acusação. Há uma diretriz a ser seguida. O fato de atuar, via de regra, apenas em um polo faz com que o Advogado Criminalista desenvolva uma qualidade incrível no seu trabalho.

3. Possibilidade de atuar em júris

O júri é o palco dos oradores. É o melhor lugar para quem quer manifestar suas ideias, debater e enfrentar discursos. É onde a defesa tem mais tempo para falar e expor tudo que for necessário.

Mas quem tem receio de júris não precisa se preocupar. É possível atuar na Advocacia Criminal sem fazer júris.

4. O Direito Penal é o assunto mais comentado em todos os lugares

Assim como o futebol, todos falamos sobre Direito Penal e Processo Penal. Não há quem não tenha conversado sobre a operação Lava Jato ou indivíduos famosos que foram acusados ou presos por algum crime. É um assunto universal. Todos os noticiários tratam de crimes. Apesar de discordar das “conversas de bar” sobre temas penais relevantes, não escondo a minha satisfação ao ver que o Direito Penal é uma das conversas mais solicitadas em todos os lugares.

Quem trabalha com o Direito Penal tem a possibilidade de estudar algo que todos têm interesse, ainda que não concordem com a sua posição.

5. É uma das áreas mais promissoras no momento

Atualmente, surgiram inúmeros setores de atuação dos Advogados Criminalistas: operações policiais no âmbito federal, Compliance, Direito Penal empresarial etc.

A concorrência não deve assustar os Advogados Criminalistas. No momento, apenas há concorrência acirrada nos crimes de menor complexidade (furto, lesão, roubo etc.) ou em relação a clientes que querem apenas fazer um “leilão” com Advogados, buscando aquele que cobra o menor valor.

Para Advogados especializados e que estão prontos para casos mais emblemáticos, não há profissionais suficientes no mercado.

6. Honorários sem um teto vinculado ao “valor da causa”

A Advocacia Criminal, diferentemente dos ramos do Direito que se vinculam a valores patrimoniais, não tem um teto quanto aos honorários, pois a liberdade é inestimável.

Um Civilista, por exemplo, cobraria cerca de R$ 2.000,00 numa cobrança de R$ 10.000,00. Um Criminalista, por outro lado, não tem um parâmetro numérico, pois seus honorários dependem apenas de sua reputação, da sua produção intelectual, de resultados obtidos anteriormente e da complexidade do processo. A liberdade não tem um valor estipulado.

7. É um mercado “anticrise”

O Advogado Criminalista atua sempre que a Polícia investiga ou o Ministério Público denuncia. E isso sempre vai ocorrer, independentemente de eventual crise econômica no país.

Por outro lado, algumas áreas dependem de um ambiente favorável para o mercado. Quem atua com contratos civis trabalhará apenas quando seus clientes quiserem e puderem elaborar contratos. O mesmo ocorre em relação aos Advogados que atuam para empresários.

Há, evidentemente, outros Advogados que independem do clima econômico, como os Previdenciaristas e os Trabalhistas. Aliás, os Advogados Trabalhistas e aqueles que atuam no Direito Falimentar trabalham muito durante momentos de crise no país.

A Advocacia Criminal, por outro lado, é sempre homogênea. Com ou sem crise, a Polícia investiga e o Ministério Público denuncia.


Vídeos quase diários:


Clique na imagem abaixo para ver o curso “Como iniciar na Advocacia Criminal”.

como-iniciar-adv