enriquecimento

Evinis Talon

TJ/RS: atipicidade quanto ao crime de estelionato se, mesmo tendo obtido vantagem econômica ilícita, o agente não tiver induzido ou mantido a vítima em erro

11/01/2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

CURSO DA LEI ANTICRIME

Amigos, depois de muitos pedidos, lançamos o curso online sobre a Lei Anticrime, que tem muitas videoaulas e certificado de conclusão.
O valor pode ser parcelado em até 12 vezes no cartão. Também é possível adquirir (sem parcelamento) no boleto. Além disso, tem garantia de 7 dias (cancelamento com reembolso integral dentro desse prazo).
CLIQUE AQUI

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Decisão proferida pela Sétima Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, na Apelação Crime nº 70071435598, julgado em 10/11/2016 (acesse aqui a íntegra do acórdão).

Confira a ementa:

APELAÇÃO. ESTELIONATO. ABSOLVIÇÃO. ATIPICIDADE. REFORMA DA SENTENÇA. A conduta do réu não tipifica o crime de estelionato, pois embora ele tenha obtido vantagem econômica ilícita, não está evidenciado o induzimento ou manutenção do ofendido vítima em erro. Recurso da defesa provido.(Apelação Crime, Nº 70071435598, Sétima Câmara Criminal, Tribunal de Justiça do RS, Relator: Jucelana Lurdes Pereira dos Santos, Julgado em: 10-11-2016).

Leia a íntegra do voto:

VOTOS

Des.ª Jucelana Lurdes Pereira dos Santos (RELATORA)

Presentes os requisitos de admissibilidade, conheço do recurso.

Da análise do fato descrito na denúncia, entendo que a conduta do réu não tipifica o delito de estelionato, o qual exige, segundo o prof. Cezar Roberto Bitencourt, os seguintes requisitos fundamentais:

 “1) emprego de artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento; 2) induzimento ou manutenção da vítima em erro; 3) obtenção de vantagem patrimonial ilícita em prejuízo alheio (do enganado ou de terceiro)”.

No caso, embora o réu tenha obtido vantagem econômica ilícita em prejuízo alheio, a prova produzida indica a subtração de uma folha de cheque assinada da gaveta do estabelecimento comercial em que prestava serviços e o posterior preenchimento do valor, o que não é suficiente para demonstrar que ele induziu ou manteve alguém em erro – elementar do tipo penal descrito no art. 171 do CP.

Não houve entrega espontânea da cártula por pessoa enganada, mas um furto, aproveitando-se da confiança do funcionário Vanderlei, motivo pelo qual teve acesso sem vigilância ao local.

Nesse sentido são as lições de Julio Fabbrini Mirabete e Renato N. Fabbrini:

“Não se confunde estelionato com o furto com fraude: neste há subtração, naquele há entrega espontânea da coisa pela vítima. Assim, tratando-se de fraude que se dirige ao amortecimento da vigilância da res e não ao engodo do lesado para dele alcançar vantagem indevida, impõe-se o reconhecimento do furto qualificado”.

Poderia se cogitar a prática de furto, mas como a Súmula 453 do STF  proíbe a mutatio libelli nesta instância, a absolvição por atipicidade da conduta é medida que se impõe.

Assim, voto no sentido de dar provimento ao recurso da defesa, absolvendo o réu com base no artigo 386, III, do CPP.

Leia também:

Precisa falar conosco? CONTATO: clique aqui

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Evinis Talon é Advogado Criminalista (com foco em consultas e pareceres), professor de cursos de pós-graduação, Mestre em Direito, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de livros e artigos e palestrante.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Telefone / Whatsapp: (51) 99927 2030 | Email: contato@evinistalon.com

Evinis Talon © Todos os Direitos Reservados - 2018