justiça

Evinis Talon

TJ/PB: Mantida a decisão que condenou o Estado a indenizar detento agredido dentro do presídio

03/04/2019

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

URGENTE! 20% de desconto no curso de Direito Penal, Processo Penal e Execução Penal na semana do meu aniversário

Até o dia 5 de julho!

Selecione o plano e insira o cupom: hoje20

CLIQUE AQUI

Notícia publicada no site do Tribunal de Justiça da Paraíba no dia 02 de abril de 2019 (leia aqui).

A Segunda Câmara Especializada Cível do Tribunal de Justiça da Paraíba manteve a sentença que condenou o Estado da Paraíba a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 2 mil, em favor de um detento, que teria sofrido agressão física praticada por outros presos no presídio do Roger. A decisão de 1º Grau foi proferida pela juíza auxiliar da 1ª Vara da Fazenda Pública da Capital Andréa Arcoverde Cavalcanti Vaz. O relator da Apelação Cível nº 0121364-39.2012.815.2001 foi o desembargador Abraham Lincoln da Cunha Ramos.

No recurso de apelação, o Estado sustentou a inexistência de nexo causal e, ainda que este fosse admitido, que, no caso de omissão, a responsabilidade seria subjetiva, devendo-se provar o nexo de causalidade entre a omissão estatal e o evento danoso. Alegou que não há razão para condenação em danos morais. Subsidiariamente, caso não fosse acatada a excludente de responsabilidade, requereu a redução do valor indenizatório arbitrado a título de danos morais.

Na análise do caso, o relator entendeu que ficou comprovada a responsabilidade do Estado, uma vez que é dever do Poder Público zelar pela integridade física das pessoas reclusas ou detidas em estabelecimentos prisionais. “Nos termos do artigo 5º, XLIX, da Constituição Federal, o indivíduo recluso na prisão, sob tutela do Estado, tem o direito constitucional ao resguardo de sua integridade física e moral. E tal resguardo é o que se espera dos estabelecimentos prisionais, visto que é dever do Poder Público manter a incolumidade dos encarcerados sob sua custódia”, ressaltou o desembargador Lincoln.

Ele destacou ainda que “não tendo sido sequer promovida uma sindicância, na qual poderia ter sido detectada uma causa excludente, como culpa exclusiva da vítima, outra consequência não há que não seja responsabilizar o Poder Público pela falha no dever de vigilância, que lhe é próprio”. Para o relator, restou devidamente comprovada a agressão física sofrida pelo preso, através de laudo médico. “Trata-se de lamentável situação, que reflete o descumprimento reiterado, por parte do Estado”, enfatizou.

Em relação ao valor da indenização, o desembargador entendeu de manter o que foi fixado na sentença. “Diante da valoração das provas realizadas pelo juízo a quo, entendo que foi adequado o quantum fixado, considerando-se o constrangimento e a situação vexatória, pelo que passou o recorrido”, ressaltou. O relator observou, ainda, que na fixação do valor indenizatório deve o magistrado levar em consideração as condições econômicas e sociais do ofendido e da causadora do ato ilícito, bem como as circunstâncias do fato, sem esquecer o caráter punitivo da verba e que a reparação não pode servir de causa a enriquecimento injustificado.

O acórdão desta decisão foi publicado no Diário da Justiça eletrônico desta terça-feira (2) e cabe recurso.

Leia também:

  • Cabe habeas corpus contra decisão que aplica medidas cautelares diversas da prisão? (leia aqui)
  • Tribunal do júri na Justiça Federal (leia aqui)
  • Como instruir o habeas corpus? (leia aqui)

Precisa falar conosco? CONTATO: clique aqui

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Evinis Talon é Advogado Criminalista com atuação no Brasil inteiro, com 12 anos de experiência na defesa penal, professor de cursos de mestrado e doutorado com experiência de 11 anos na docência, Doutor em Direito Penal pelo Centro de Estudios de Posgrado (México), Doutorando pela Universidade do Minho (Portugal – aprovado em 1º lugar), Mestre em Direito (UNISC), Máster en Derecho Penal (Universidade de Sevilha), Máster en Derecho Penitenciario (Universidade de Barcelona), Máster en Derecho Probatorio (Universidade de Barcelona), Máster en Derechos Fundamentales (Universidade Carlos III de Madrid), Máster en Política Criminal (Universidade de Salamanca – cursando), especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de 7 livros, ex-Defensor Público do Rio Grande do Sul (2012-2015, pedindo exoneração para advogar. Aprovado em todas as fases durante a graduação), palestrante que já participou de eventos em 3 continentes e investigador do Centro de Investigação em Justiça e Governação (JusGov) de Portugal. Citado na jurisprudência de vários tribunais, como TRF1, TJSP, TJPR, TJSC, TJGO, TJMG, TJSE e outros.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Telefone / Whatsapp: (51) 99927 2030 | Email: contato@evinistalon.com

× Fale com o Dr. Evinis Talon