writing-1149962_1920

Evinis Talon

O efeito suspensivo na correição parcial

02/05/2018

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Quer aprender sobre inquérito policial, júri, audiências, recursos, habeas corpus, execução Penal e muito mais?

Veja os planos semestral (parcele em até 6x) e anual (parcele em até 12x): CLIQUE AQUI
Conheça também o plano Premium, que abrange outros cursos.

Adquirindo o plano PREMIUM agora, você ganha de bônus o meu livro Investigação criminal defensiva autografado e com dedicatória (bônus por tempo limitado): CLIQUE AQUI

Curso com modelos de peças processuais!

Veja outros cursos com o prof. Evinis Talon: CLIQUE AQUI

Fale conosco no WhatsApp (de segunda a sexta, das 9h às 18h): clique aqui

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

A correição parcial é um instrumento para impugnação de decisões que gerem a inversão tumultuária dos atos do processo.

Para que seja possível a correição parcial, não pode haver a previsão de outro recurso específico para atacar aquela decisão. Dessa forma, trata-se de recurso subsidiário.

Esse instrumento está previsto no art. 6º, I, da Lei 5.010/66 (Organização da Justiça Federal), também sendo mencionado no art. 32, I, da Lei 8.625/93 (Lei Orgânica Nacional do Ministério Público) e, quanto à Justiça Estadual, na legislação de cada Estado. No Rio Grande do Sul, por exemplo, a correição parcial é prevista no art. 251 do Regimento Interno do Tribunal de Justiça.

Quanto à legitimidade, podem interpor a correição parcial o réu, o Ministério Público (ou o querelante) e o assistente da acusação.

No que concerne ao objeto recursal, a correição é destinada a impugnar erro ou abuso quanto aos atos e formas do processo, se destes resultar tumulto processual.

Nesse diapasão, seria cabível apenas contra “error in procedendo”, não sendo possível contra decisões que ataquem o mérito (“error in judicando”) ou quando há existência de outro recurso específico para atacar a decisão (caráter subsidiário da correição parcial).

Dessa forma, é caso de cabimento da correição parcial, por exemplo, quando ocorre o indeferimento da oitiva de testemunha arrolada pela defesa ou quando o Juiz nega a juntada de algum documento ou a realização de alguma diligência. Como se observa, são hipóteses de suma importância para a defesa.

Todavia, a correição não possui efeito suspensivo, ou seja, uma vez interposta, o processo segue seu rumo normal, sem interrupções. A decisão impugnada, portanto, continua produzindo efeitos até que, eventualmente, seja dado provimento à correição parcial.

No entanto, em alguns casos urgentes, poderia ocorrer um enorme prejuízo processual para a defesa. Nesse prisma, é necessário refletir sobre o cabimento de alguma medida que conceda efeito suspensivo à correição parcial, isto é, suspenda os efeitos da decisão impugnada até o julgamento definitivo da correição.

Como já abordamos em outro texto (leia aqui), foi publicada recentemente a súmula nº 604 do STJ, que afirma: “mandado de segurança não se presta para atribuir efeito suspensivo a recurso criminal interposto pelo Ministério Público.”

Deve-se destacar que a supracitada súmula trata apenas dos recursos interpostos pelo Ministério Público. Se fosse atribuído efeito suspensivo por meio de mandado de segurança, o recurso em sentido estrito interposto pelo Ministério Público contra a decisão que revogou a prisão preventiva do acusado, por exemplo, produziria o efeito de manter o réu no cárcere até o julgamento definitivo do recurso. Seria um absurdo contra o direito à liberdade se fosse admitido o efeito suspensivo contra uma decisão do Juiz que concede tal direito (por meio da revogação, do relaxamento, da liberdade provisória, da fiança etc.).

Em relação à defesa, admite-se a impetração de mandado de segurança com o desiderato de atribuir efeito suspensivo à correição parcial. Aqui, não há a perversa consequência consistente em manter ou reenviar alguém para o cárcere até o julgamento de um recurso, que é o que a súmula nº 604 do STJ pretende evitar.

Nesse sentido, após a interposição da correição parcial, deveria ser impetrado um mandado de segurança com o escopo de atribuir efeito suspensivo ao recurso.

Seguindo esse entendimento em prol da defesa, cita-se uma decisão do Superior Tribunal Militar:

[…] Mandado de Segurança impetrado visando à suspensão de Ação Penal até o julgamento definitivo da Correição Parcial. De acordo com o inciso II do artigo 5º da Lei nº 12.016, de 7 de agosto de 2009, somente será vedada a concessão Mandado de Segurança em caso de decisão judicial que caiba recurso com efeito suspensivo. A jurisprudência desta egrégia Corte Castrense entende que o Mandando de Segurança não se presta à análise da matéria de error in procedendo, objeto de Correição Parcial interposta, delimitando-se, in casu, à possibilidade de atribuição de efeito suspensivo à Correição Parcial. Provimento. Unânime. (STM, MS 0000083-38.2014.7.00.0000, Rel. Min. Alvaro Luiz Pinto, julgado em 21/08/14)

Leia também:

Precisa falar conosco? CONTATO: clique aqui

Orientações processuais para Advogados (teses, estratégias e dúvidas): clique aqui

Siga o meu perfil no Instagram (clique aqui). Sempre que possível, vejo as mensagens no direct.

Evinis Talon é Advogado Criminalista (com foco em consultas e pareceres para outros Advogados e escritórios), professor de cursos de pós-graduação, Doutorando pela Universidade do Minho (Portugal – aprovado em 1º lugar), Mestre em Direito pela UNISC, Mestrando em Direito Penal pela Universidade de Sevilha, Mestrando pela Universidade de Barcelona, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de 7 livros e palestrante.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Telefone / Whatsapp: (51) 99927 2030 | Email: contato@evinistalon.com