A (in)constitucionalidade do assistente da acusação

Inscreva-se no Youtube. Vídeos diários:

– Veja 5 cursos com o prof. Evinis (clique aqui), incluindo um curso em que você pode concorrer a um sorteio para uma videoconferência com o prof. Evinis e um livro autografado (clique aqui), além de um curso para Advogados sobre prospecção de clientes, marketing, parcerias, honorários etc., que também terá sorteio de videoconferência para inscritos (clique aqui). Você pode testar os dois por 7 dias grátis.
– Fale com o prof. Evinis Talon no WhatsApp (clique aqui)
– Participe do grupo do Whats do prof. Evinis Talon: clique aqui
– Seja membro do ICCS: clique aqui

A Constituição Federal prevê o Ministério Público como titular da ação penal (art. 129, I).

Por sua vez, o art. 5º, LIX, da Constituição Federal, especifica que “será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se esta não for intentada no prazo legal”.

Ademais, ainda que não seja querelante, a vítima poderá intervir como assistente da acusação nos casos em que o Ministério Público promove a ação penal.

Com base nos arts. 31 e 268 do Código de Processo Penal, observa-se que podem ser assistentes da acusação o ofendido, seu representante legal e, em caso de morte do ofendido, o direito passará ao cônjuge, ascendente, descendente ou irmão. Os poderes do assistente da acusação estão elencados no art. 271 do CPP.

Ainda que o Código de Processo Penal trate do assistente da acusação, uma dúvida relevantíssima surge: a figura do assistente da acusação é compatível com a Constituição Federal? As regras do CPP sobre o assistente foram recepcionadas pela Constituição?

Não tenho o desiderato de exaurir o tema, mas apenas incentivar o debate.

A Constituição Federal deixa claro que o Estado tem o direito/dever de punir, mantendo o monopólio para processar e julgar crimes, inviabilizando a vingança privada. Dessa forma, com a ocorrência de um crime, há o direito/dever estatal de punir, restando para a vítima eventual pretensão na seara cível (indenização ou reparação). De qualquer sorte, a reparação civil não pressupõe o processo penal, havendo, excepcionalmente, alguns casos em que a pretensão reparatória é instituída no processo penal, como a composição dos danos civis nos Juizados Especiais Criminais, a prestação pecuniária tendo o ofendido como destinatário e a reparação do dano como requisito para alguns direitos.

O debate sobre a assistência da acusação suscita vários outros debates, como a (im)possibilidade de que a Defensoria Pública atue como assistente da acusação e a situação em que o Ministério Público, titular da ação penal, postula a absolvição, ocorrendo a discordância do assistente da acusação, que manifesta seu desejo de ver o acusado condenado.

Conforme vários julgados, o STJ já decidiu que, deixando o Ministério Público de recorrer, surge a legitimidade para o assistente da acusação:

[…] ADMISSÃO DE ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO. LEGITIMIDADE PARA A INTERPOSIÇÃO DE RECURSOS. […] 1. “O assistente de acusação tem legitimidade para recorrer quando o Ministério Público abstiver-se de fazê-lo ou quando o seu recurso for parcial, não abrangendo a totalidade das questões discutidas.” (REsp 828.418/AL, Rel. Min. Laurita Vaz, DJ 23/4/2007). […] (STJ, Sexta Turma, RHC 31.893/SP, Rel. Ministro Og Fernandes, julgado em 04/10/2012)

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, da mesma forma, tem reiteradas decisões afirmando que a figura do assistente da acusação não é inconstitucional, pois sua habilitação decorre de expressa previsão legal, sendo que sua atuação é meramente auxiliar e limitada processualmente pelo art. 271 do Código de Processo penal:

[…] Preliminar. Inconstitucionalidade da habilitação de assistente de acusação. Permissão para habilitação de assistente da acusação em processos criminais decorrente de expressa previsão legal. Norma não declarada inconstitucional. Trata-se, ainda, de possibilidade de o ofendido ou seu familiar participar diretamente dos atos processuais que lhe digam interesse, não desregulando a proporcionalidade de armas entre acusação e defesa. Preliminar Rejeitada. […] (TJ/RS, Segunda Câmara Criminal, Recurso em Sentido Estrito Nº 70061609400, Relator: José Ricardo Coutinho Silva, julgado em 12/02/2015)

Apesar da constante alegação de que é admissível a figura do assistente da acusação diante de sua previsão no CPP, o ponto nevrálgico do debate é aferir se a Constituição admitiria esse instituto. Por se tratar de mais uma figura no polo acusatório, há uma nítida redução das possibilidades defensivas, ofendendo a paridade de armas, o contraditório e a ampla defesa. Senso assim, não basta uma previsão infraconstitucional e uma ausência de menção constitucional. Deveria haver expressa permissão da habilitação como assistente da acusação na Constituição Federal, o que inexiste.

Repita-se: trata-se de mais uma figura no polo acusatório. Se a Constituição especificou a ação penal privada subsidiária da pública (art. 5º, LIX), é importante questionar o motivo da ausência de previsão do assistente da acusação.

Leia também:

  • A assistência à acusação somente é cabível se houver vítima? (leia aqui)

Evinis Talon é sócio-administrador e Advogado Criminalista da Talon Consultoria e Advocacia Criminal (clique aqui), professor de cursos de pós-graduação, presidente do International Center for Criminal Studies, palestrante e autor de vários livros e artigos.