defense-attorney-840062_1280

Evinis Talon

O sistema prisional é perigoso para o Advogado?

Maio 9, 2018

Novos sorteios! Curso de Penal, Processo penal e Execução Penal por menos de R$1,00 por dia, mais de 160 horas de conteúdo, podendo tirar dúvidas com o prof. Evinis Talon. Inscreva-se até o dia 20/11/18 e participe de 2 sorteios: CLIQUE AQUI

– Assine o plano SEMESTRAL ou ANUAL e ganhe imediatamente o LIVRO AUTOGRAFADO. Nos planos semestral e anual, não é sorteio. Assinou, ganhou o livro com dedicatória: CLIQUE AQUI

Dúvidas sobre algum curso? Fale com a assessoria do prof. Evinis Talon no WhatsApp (clique aqui)

Receba meus textos e vídeos no Whats gratuitamente: CLIQUE AQUI

No final de abril de 2018, três Defensores Públicos foram feitos reféns dentro de um estabelecimento prisional por 20 horas (leia aqui). Os presos reivindicavam melhores condições na unidade.
Esse caso despertou a atenção de muitos estudantes, bacharéis e jovens Advogados. Inúmeros questionamentos surgiram quanto à segurança dos estabelecimentos prisionais para Advogados. Afinal, o Advogado corre algum risco quando faz atendimentos no interior do cárcere?
Esse assunto é importante, considerando que muitos estudantes e Advogados que sempre gostaram da área criminal podem achar que esse fato isolado reflete uma realidade diária.
Como já relatei em outra oportunidade (leia aqui), do momento em que me graduei até agora, passando pela atuação como Defensor Público e, atualmente, na Advocacia privada, enfrentei apenas uma situação um pouco mais perigosa.
Em determinada oportunidade, participava do interrogatório de um apenado na sala do diretor do presídio. Tratava-se de uma audiência relativa a um procedimento administrativo que apurava uma suposta falta grave.
Quando fui questionado pelo apenado quanto à proximidade da sua progressão de regime, expliquei-lhe que uma falta grave anterior havia alterado sua data-base para esse direito, fazendo com que a progressão fosse adiada por mais 2 anos. Naquele momento, o apenado, que acreditava que esse direito seria deferido em poucos dias, ficou irritado e começou a dizer frases como “o que me impede de te matar agora?”, enquanto se levantava e inclinava o corpo em minha direção. Imediatamente, os agentes penitenciários contiveram o apenado.
Tratou-se de um fato isolado, que ainda exige uma contextualização. Aquele apenado havia permanecido por alguns meses internado, diante de uma doença mental que o afetava. Portanto, não é possível afirmar que estava em pleno gozo das faculdades mentais.
Nos atendimentos realizados antes e depois desse fato, nada aconteceu. Aliás, já fiz atendimentos em vários ambientes (principalmente para evitar deslocamentos desnecessários no interior do cárcere), como em corredores, na porta da cela, em salas de atendimento e, inclusive, na cozinha do presídio, enquanto o apenado preparava a refeição que seria servida aos outros apenados. Nada aconteceu!
Por outro lado, já tive ciência de outros riscos. Em certa ocasião, um apenado registrou boletim de ocorrência por corrupção passiva contra Defensores, Promotores e Juízes em uma cidade próxima de onde eu atuava. Ele alegava que todos que conversavam com ele “cobravam propina”. Apesar do risco para as autoridades, as investigações logo concluíram que o apenado fazia isso como uma forma de pressionar para ter direitos. Qual foi o resultado? O apenado passou a ser investigado por denunciação caluniosa.
A “sorte” no caso acima foi que várias autoridades sofreram com essa conduta. Se fosse apenas um indivíduo (apenas o Promotor, por exemplo), haveria a chance de que ele respondesse criminalmente por corrupção passiva, destruindo sua vida.
Assim, os momentos de perigo durante (ou decorrentes de) atendimentos no interior dos presídios são raríssimos.
Os riscos são menores e quase inexistentes se o Advogado fizer atendimentos de forma respeitosa, não demorar para dar respostas aos questionamentos feitos pelos apenados (considero que o ideal seria não ultrapassar o prazo de uma semana entre o atendimento e a resposta) e nunca mentir dizendo que fez algo que ainda não fez (dizer, por exemplo, que já peticionou requerendo a progressão de regime, quando ainda não o fez).
Também é necessário manter um afastamento, evitando pessoalizar excessivamente o atendimento. É necessário demonstrar, a cada momento, que o Advogado é quem mais se importa (ou talvez o único) com o preso. Aliás, não apenas demonstrar, mas também ser alguém que lute, com todas as armas legalmente cabíveis, pelos direitos do apenado.

Evinis Talon é Advogado Criminalista, consultor e parecerista em Direito Penal e Processo Penal (clique aqui), professor de cursos de pós-graduação, Mestre em Direito, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de livros e artigos e palestrante.


Quer citar este texto em algum artigo, TCC ou peça processual? Então CLIQUE AQUI e preencha: nome do autor (Evinis Talon), título, site (basta copiar e colar) e a data de hoje. Depois clique em “gerar referência”.

COMPARTILHE

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

O direito ao silêncio

Neste vídeo, abordo este importante direito constitucional: o direito ao silêncio. Inscreva-se no

Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se e receba as novidades mais importantes diretamente no seu email!

Telefone / Whatsapp: (51) 98031-8179 | Email: contato@evinistalon.com

Evinis Talon © Todos os Direitos Reservados - 2018