law-books-291676_1280

Evinis Talon

Fatos e teses defensivas no processo penal

23/02/2019

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Livro autografado e com dedicatória. Veja os planos anual e semestral (pode parcelar) (CLIQUE AQUI). O curso também tem MODELOS DE PEÇAS!
Livro sem autógrafo: CLIQUE AQUI

Fale conosco no WhatsApp: clique aqui

Na redação das peças defensivas, tenha como preocupação central a análise individualizada do caso. É o que normalmente chamamos de Advocacia artesanal.

Devemos reconhecer a importância de trabalhar fatos e provas ao lado das teses defensivas, evitando apenas a citação de ementas e trechos da doutrina que poderiam ser utilizados, da mesma forma, em qualquer outro processo.

É possível que o leitor já tenha visto alguma peça defensiva totalmente genérica, especialmente aquelas que combatem a prisão em flagrante ou a prisão preventiva (pedido de liberdade provisória, de relaxamento ou de revogação da prisão). São peças com várias páginas de ementas (algumas muito antigas, citando decisões de Tribunais de Alçada), normalmente abordando o princípio da presunção de inocência, o “in dubio pro reo” e a excepcionalidade da prisão preventiva. Entretanto, após a leitura dessas peças, sabe-se, por exemplo, que a prisão preventiva é excepcional, mas não se tem ciência se o caso em comento é ou não excepcional.

Em tempos de padronização das peças processuais utilizando modelos inalterados (apenas com a alteração do número do processo, do nome da parte e da data), chamam a atenção dos julgadores aquelas peças que abordem as peculiaridades do caso concreto.

Nesse viés, sobre a mencionada situação do combate à prisão preventiva, poder-se-ia falar sobre a gravidade concreta do crime, a primariedade do investigado/réu, o fato de que ele tem endereço fixo e trabalho, o cabimento de medidas cautelares diversas da prisão (inclusive sugerindo alguma), a falta de motivação da decisão que decretou a prisão preventiva (inclusive citando os trechos genéricos) etc.

Ademais, sobre a citação da jurisprudência, o ideal seria encontrar casos similares em que a defesa teve êxito, e não apenas citar julgados relativos a crimes diversos e que foram cometidos em circunstâncias diferentes. Como exemplo, poderíamos deixar de citar um julgado que fale sobre a presunção de inocência e o “in dubio pro reo” (trechos genéricos como “na dúvida, o Juiz deve absolver), substituindo-o por alguma decisão que trate de um fato semelhante ao caso em julgamento, inclusive com conjunto probatório parecido.

Seria o caso de utilizar uma decisão – preferencialmente do Tribunal que julgará eventual recurso – afirmando que a palavra da vítima é insuficiente para condenar por determinado crime (fora daqueles casos em que a palavra da vítima tem um valor especial, como os crimes sexuais e aqueles praticados no contexto da violência doméstica) quando há provas (registro de ocorrência, por exemplo) de que há uma animosidade entre ela e o réu.

Em suma, devemos dar mais atenção aos fatos e às provas.

Veja também:

Evinis Talon é Advogado Criminalista (com foco em consultas e pareceres), professor de cursos de pós-graduação, Mestre em Direito, especialista em Direito Penal, Processo Penal, Direito Constitucional, Filosofia e Sociologia, autor de livros e artigos e palestrante.


Quer citar este texto em algum artigo, TCC ou peça processual? Então CLIQUE AQUI e preencha: nome do autor (Evinis Talon), título, site (basta copiar e colar) e a data de hoje. Depois clique em “gerar referência”.

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

EVINIS TALON


LEIA TAMBÉM

Livraria

Amigos, em parceria com a Amazon (responsável pela venda e entrega), disponibilizo um

Inscreva-se na nossa Newsletter!

Inscreva-se e receba as novidades mais importantes diretamente no seu email!

Telefone / Whatsapp: (51) 98031-8179 | Email: contato@evinistalon.com

Evinis Talon © Todos os Direitos Reservados - 2018