STF: prova ilícita e desentranhamento de peças processuais

– Inscreva-se no meu curso por assinatura (Penal e Processo Penal) até o dia 25/09/17 e participe do sorteio de um exemplar do livro A jornada de um advogado criminalista (com dedicatória especial), além de ter acesso a mais de 21 horas de aula e 50 vídeos: clique aqui
– Fale com o prof. Evinis Talon no WhatsApp (clique aqui)
– Participe do grupo do Whats do prof. Evinis Talon: clique aqui (usando o celular)


banner curso finalizado enviado Evinis




Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

A 2ª Turma do STF decidiu, no RHC 137368/PR, de relatoria do Ministro Gilmar Mendes, que a denúncia, a pronúncia, o acórdão e as demais peças judiciais não são provas do crime, motivo pelo qual não são abrangidas pela regra que determina o desentranhamento das provas ilícitas (art. 5º, LVI, da Constituição Federal). A decisão foi tomada no dia 29 de novembro de 2016 e está no informativo nº 849.

Assim, conforme a 2ª Turma do STF, se a denúncia, a pronúncia e outras peças processuais fizerem referência a uma prova que, futuramente, seja declara ilícita, apenas a prova (exame pericial, por exemplo) deverá ser desentranhada, podendo permanecer nos autos do processo todas as peças que mencionaram ou fizeram juízo de valor sobre essa prova.

Os fundamentos da decisão são:

– o art. 157 do Código de Processo Penal não prevê a exclusão de peças processuais que façam menção às provas ilícitas.

– não há proibição de mencionar durante os debates do Júri as provas ilícitas excluídas, ou seja, informar aos jurados sobre a exclusão de provas ilícitas.

– os jurados têm a prerrogativa de acessar a integralidade dos autos, motivo pelo qual não poderia a pronúncia, mesmo que se refira a uma prova ilícita, ser uma peça oculta.

 

MINHA CRÍTICA:

Em que pese não haja previsão no art. 478 do Código de Processo Penal sobre a proibição de referência, durante os debates em Plenário do Júri, às provas ilícitas excluídas, devemos interpretar o CPP de acordo com a Constituição, e não o contrário.

Nesse diapasão, o art. 5º, LVI, da Constituição Federal elucida que são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por meios ilícitos. Permitir que, durante os debates no Plenário do Júri, ocorram menções às provas declaradas ilícitas e devidamente excluídas é permitir que se traga ao processo – e os debates são parte relevante do processo relativo a crimes dolosos contra a vida – uma prova ilícita.

Conquanto eventualmente se possa concordar que, nos processos julgados por magistrados, a presença das peças que façam referência a provas ilícitas não trará prejuízo, é inevitável que, no procedimento do Júri, em que os jurados podem analisar questões extrajurídicas, ocorra o prejuízo em caso de permanência dessas peças.

A permanência dessas peças no processo viola consideravelmente o princípio do contraditório e da ampla defesa, haja vista que dão uma vantagem processual à parte – neste caso é o Ministério Público – que decidiu violar regras de Direito Penal ou Processual Penal, em detrimento da parte – Defesa – que produziu as provas de acordo com o ordenamento jurídico.


Vídeos quase diários:


Clique na imagem abaixo para ver o curso “Como iniciar na Advocacia Criminal”.

como-iniciar-adv