O feudalismo penal

Clique no sino vermelho no canto da tela para receber um aviso no seu celular ou computador sempre que for postado um vídeo ou artigo.

Inscreva-se no Youtube. Vídeos diários:

– Curso online de Execução Penal com o prof. Evinis Talon (clique aqui)
– Inscreva-se no meu curso por assinatura (Penal e Processo Penal) até o dia 30/11/2017 e participe do SORTEIO de um exemplar do livro A jornada de um advogado criminalista (com dedicatória especial), além de ter acesso a mais de 34 horas de aula e 82 vídeos: clique aqui
– Fale com o prof. Evinis Talon no WhatsApp (clique aqui)
– Participe do grupo do Whats do prof. Evinis Talon: clique aqui


banner curso finalizado enviado Evinis




Facebooktwittergoogle_pluslinkedin

Há feudalismo no Brasil, mas ele é judicial, especialmente na seara criminal.

Os feudos são as comarcas. Dentro delas, qualquer decisão é possível, desde que o “senhor judicial” considere cabível, de acordo com os Códigos Penais e Processuais Penais do feudo (ou da comarca).

De forma expressa, a União tem competência privativa para legislar sobre Direito Penal e Processual (art. 22, I, da Constituição Federal). Não há Códigos estaduais dessas disciplinas. Entrementes, de modo implícito, há Códigos Penais e Processuais Penais municipais, forjados pela consciência do julgador que desconsidera o Giro Linguístico e a Virada Ontológica. Em alguns casos, há Códigos distintos para cada Vara Criminal.

Os cavalheiros dos feudos judiciais são os policiais, que precisam cumprir ordens judiciais de prisão preventiva como política de segurança pública, e não para os fins processuais descritos no art. 312 do Código de Processo Penal. Em alguns feudos, são obrigados, de modo ilegal, a conduzir vassalos até o senhor feudal.

E os servos do feudalismo judicial? No feudalismo, os servos trabalhavam e pagavam altos impostos para a continuidade das mordomias do senhor feudal. Precisavam manter-se em permanente estado de humilhação, para que sobre eles não recaísse a ira do senhor feudal, como, na atualidade, seria uma “voz de prisão” por crime de desacato.

Para alguns senhores judiciais, os Advogados teriam uma relação servil. Seriam servos do senhor judicial, e não exercentes de uma função essencial à justiça. Alguns diriam: “faça concurso para senhor judicial e conduza o seu feudo”.

Atualmente, os Advogados, quando querem falar com o senhor feudal/judicial, “precisam” agendar horário, aguardar eventuais atrasos e, não raramente, depender do humor do dia.

Em alguns casos, cobra-se dos Advogados a corveia, uma espécie de trabalho compulsório para o senhor judicial. Seria o exercício da Advocacia dativa como mera formalidade, sem o direito – tampouco o dever – de alegar nulidades. Quem ousa demonstrar alguma combatividade é substituído. Para a corveia, basta estar ali, em silêncio, concordar com a cabeça e, ao final, assinar sem ler.

A jurisprudencialização imposta pelo Supremo Tribunal Federal, como no caso da execução provisória da pena, beira o absolutismo judicial. Ficamos entre o absolutismo imposto pelo poder soberano e concentrado e o julgamento conforme o feudo, sem a comunicação entre tais feudos.

Entrementes, nesse feudalismo penal, ainda há ilhas – talvez um arquipélago – de bom senso. E esses julgadores – que sabem da responsabilidade que têm – dão risada dos bobos da corte, que apenas querem a gritaria nas cortes reais e feudais. Afinal, nada é mais hilário – e trágico – do que um bufão monárquico bancando o senhor feudal.


Clique na imagem abaixo para ver o curso “Como iniciar na Advocacia Criminal”.

como-iniciar-adv